Origens da Congregação

Neunburg vorm Wald
Neunburg vorm Wald, Bavaria.

First house in Neunburg vorm Wald

A congregação das Irmãs Escolares de Notre Dame ganhou vida quando o chamamento de Deus encontrou uma resposta no coração das pessoas fortes na fé, visionárias e corajosas na acção. A congregação continua hoje na misteriosa interacção entre o chamamento divino e a resposta humana.

Embora as suas raízes estejam no passado, a congregação traça o seu início a 24 de Outubro de 1833, quando Caroline Gerhardinger e duas outras mulheres iniciaram uma vida religiosa comum no Neunburg vorm Wald, Baviera. A sua acção foi inspirada por uma espiritualidade apostólica destinada a moldar as suas próprias vidas e a afectar profundamente as de muitas outras.

Os tempos

As circunstâncias políticas e religiosas resultantes do Iluminismo e da Revolução Francesa tinham criado na Alemanha do século XIX uma situação educativa desesperada com efeitos de grande alcance na igreja e na sociedade. A insistência dos racionalistas no primado da razão enfraqueceu o apreço pela educação cristã; a confiscação de bens eclesiásticos pelo Estado levou à supressão de muitas escolas conventuais e tornou virtualmente impossível que as raparigas jovens recebessem sequer uma educação básica.

Resposta

Bispo Michael Wittmann

O encerramento da escola conventual de Stadtamhof/Regensburg, conduzido pelas Canonesses de Notre Dame, abriu Caroline Gerhardinger, depois uma aluna, a uma consciência crescente da natureza crítica da situação. Seguindo o conselho do Padre Michael Wittmann de Regensburg, Caroline e duas companheiras concordaram em estar preparadas para serem professoras na escola para raparigas em Stadtamhof, que tinha sido continuada como escola paroquial. Sob a orientação espiritual de Wittmann, Caroline reconheceu gradualmente o chamamento de Deus para ela. Ela partilhou a preocupação do Padre Wittmann por um novo começo de vida religiosa e a sua determinação em fundar uma comunidade religiosa que ajudasse a remediar a situação social através da educação. Na sua visão, a renovação da sociedade dependia da família cristã, na qual a mãe, a primeira educadora, tinha um papel fundamental. Assim, escolheram a educação cristã das raparigas como o serviço vital que a sua comunidade iria oferecer. A sua primeira preocupação foi para as raparigas pobres das pequenas cidades e aldeias.

Francisco Sebastião Job

P. Francis Sebastian Job

Quando o Bispo Wittmann morreu subitamente durante a época crucial da fundação, Caroline, em inabalável confiança na providência de Deus, e apoiada por um amigo de Wittmann, Francis Sebastian Job, ousou estabelecer a congregação em 1833. Tendo tomado o nome de Maria Theresa de Jesus, ela usou como regra básica da sua congregação a das Canonesses de Notre Dame. Esta ordem, iniciada pelos Beatos Alix Le Clerc e São Pedro Fourier em 1597, tomou como inspiração a regra de Santo Agostinho. A vida da jovem congregação da Madre Theresa foi decisivamente moldada pelo Espírito da Constituição das Irmãs Escolares Pobres de Notre Dame, escrita por Francis Sebastian Job.

Beata M. Teresa de Jesus Gerhardinger

A espiritualidade de Madre Theresa influenciou profundamente a espiritualidade da sua congregação. O seu amor por Deus, alimentado e fortalecido pela sua devoção ao Santíssimo Sacramento, acendeu o desejo ardente da sua vida: conhecê-lo e fazer a sua vontade. O seu desejo de honrar a Deus e a sua preocupação com o reino foram os princípios governantes e penetrantes que ditaram todos os seus esforços. Ela baseado em sua comunidade na pobreza a fim de alcançar os pobres e dedicou-a a Maria, na qual encontrou um modelo para si própria, para as suas irmãs e para as jovens raparigas a quem serviu. Na educação, insistiu na necessidade absoluta do exemplo do educador e na integração da instrução e desenvolvimento do carácter.

A estrutura da sua congregação decorreu da sua percepção das necessidades daqueles a quem serviu, bem como das suas irmãs. Ao enviar irmãs em dois e três para alcançar pessoas em zonas rurais, ela afastou-se do padrão contemporâneo de grandes mosteiros formais. A fim de manter um espírito, direcção e objectivo comum entre as irmãs, entre as casas dos ramos, e mais tarde entre as províncias, ela insistiu num governo central unificador na sua congregação. Em contraste com os precedentes estabelecidos e o espírito dominante da época, ela estava convencida de que uma mulher poderia compreender melhor e, portanto, dirigir e motivar as suas irmãs. Quando as suas opiniões sobre o governo da sua congregação foram mal compreendidas, a sua confiança em Deus e a sua profunda lealdade à igreja sustentaram-na no sofrimento que ela suportou.

O Mistério Pascal

O mistério pascal marcou toda a vida da Madre Theresa. Uma experiência especialmente intensa foi a sua luta para obter a aprovação da sua congregação e a sua alegria quando o Papa Pio IX aprovou a constituição das Irmãs Escolares Pobres de Notre Dame em 1865.

A jovem congregação também conheceu a morte e a ressurreição como parte integrante da sua vida. A pobreza extrema caracterizou as suas primeiras décadas: nesses anos, as irmãs também experimentaram desprezo e abuso por parte daqueles que não podiam aceitar os seus valores. Nos anos 1860, as irmãs sofreram com as guerras na Europa e América. As pressões políticas levaram à expulsão das irmãs de Vestefália e Silésia das suas terras natais na década de 1870.

Vida Nova e Crescimento

Ao mesmo tempo, nova vida e crescimento vieram para a congregação. Apreciada e apoiada pela hierarquia e pelos leigos, espalhou-se da Baviera para onze países da Europa e da América do Norte. Na altura da morte da Madre Teresa em 1879, mais de 2.500 Irmãs Escolares de Notre Dame viviam a vida religiosa de acordo com o seu espírito. Elas satisfaziam as necessidades do seu tempo educando raparigas, principalmente em escolas primárias, mas também em orfanatos, infantários e escolas industriais. Formaram futuros professores e foram pioneiras no desenvolvimento de jardins-de-infância. Para raparigas que eram operárias de fábrica, estabeleceram casas e providenciaram escolas nocturnas onde estas raparigas podiam receber educação básica.

A Obra de Deus

No seu elogio no funeral da Madre Teresa, Monsenhor Adalbert Huhn descreveu a sua atitude em relação ao crescimento da congregação:

Quando ela falou da sua ordem, chamou-lhe, com ênfase e reverência, a obra de Deus. . . o seu amor pelas almas impulsionou-a a ir de um extremo ao outro da Europa – de um continente a outro; a salvação das almas foi a inspiração de todos os seus esforços. . . . Não foi a grandeza do número das suas irmãs que a encantou, mas a sua transformação interior à imagem e semelhança do Filho de Deus crucificado. . . .

Em profunda gratidão e com uma visão profética, rezou: “Pai do Céu, . . . agradecemos-te por teres dado à família das Irmãs Escolares Pobres um início tão abençoado; que este início seja o penhor do seu crescimento até à perfeição”.

Mother Theresa Tapestry
Mother Theresa Tapestry

Beatificação

A igreja católica elevou a vida e obra de Madre Theresa como modelo para todos quando foi beatificada pelo Papa João Paulo II a 17 de Novembro de 1985. Pode saber mais no website Sturdy Roots: Leia – veja os destaques em vídeo da cerimónia.