Reflexão Internacional
sobre Solidariedade

 

Bem-estar das crianças

Novembro de 2017

Introdução

O bem-estar das crianças, entendido como o reconhecimento de seus direitos e a oportunidade de garantir suas necessidades básicas, deve ser o objeto central de nossa oração, pensamento e ação como Irmãs Escolares de Nossa Senhora. O cuidado das crianças foi a intenção de nossa fundadora, Beata M. Teresa, desde o início da nossa congregação; ainda é nossa preocupação, conforme afirmado em nossa Constituição, Vós Sois Enviadas, C 24, ” como ela, educamos em escolas e em outras áreas de necessidade urgente; a seu exemplo, não excluímos ninguém de nossa preocupação, mas somos sensíveis especialmente  às crianças, aos jovens e à mulher e impelidas a preferir os pobres.”  Hoje, 184 anos depois, vemos com pesar  que o bem-estar das crianças não é garantido; devemos aumentar nossa consciência desse problema e agir!

Convite à Oração

Senhor Deus, misericordioso e onipotente, as crianças têm um lugar especial em seu coração e você nos mostrou que a simplicidade delas é uma maneira de chegar à santidade. Nós pedimos que você transforme nossos corações em “corações pequenos”, para que possamos estar conscientes de como seus filhos vivem, e possamos agir por eles, encontrando maneiras para que todas as crianças do mundo gozem do bem-estar, harmonia e paz de acordo com sua vontade. Pedimos isso pela intercessão da Beata Maria Teresa de Jesus, Amém.

Experiência

Nos dados recentes da UNICEF, Situação das Crianças do mundo 2016, aparecem os seguintes números:

  • Dos 2,1 bilhões de crianças no mundo (35% da população mundial), 1 em cada 4 vive na pobreza.
  • 149 milhões de crianças estão subnutridas (1 criança em todo o mundo morre de fome a cada 7 segundos).
  • 11 milhões morrem de causas evitáveis.
  • 100 milhões não vão à escola devido à pobreza, discriminação ou falta de recursos.
  • 1,4 milhões de crianças menores de 15 anos têm AIDS.
  • 50 milhões de crianças menores de 15 anos são órfãs ou sem mãe ou órfãos devido à AIDS.
  • 250 milhões, entre 4 e 5 anos, são exploradas, envolvidas no trabalho infantil.
  • 300 mil lutam ativamente nos conflitos armados.
  • 2 milhões morreram entre 1990 e 2000 em conflitos armados, 6 milhões foram feridas ou mutiladas, 12 milhões perderam suas casas e mais de 1 milhão são órfãos de guerra.

Esses números, frios e distantes, causam desânimo quando percebemos claramente que se trata de VIDAS humanas, pessoas amadas e sonhadas por Deus desde a Eternidade. Existe uma lacuna entre os direitos reconhecidos das crianças e a sombria realidade. O que significa concretamente para as crianças viver “bem”? Nas palavras de Bautista de 9 anos, é “viver tranquilo, porque sei que nada de ruim vai acontecer comigo porque há pessoas que me amam”.

Reflexão

“O Reino dos Céus pertence às crianças” (Lc 18,16).

Como seria a nossa “casa comum” hoje, se entendêssemos a importância do bem-estar das crianças? Em nossas sociedades, especialmente em nossa realidade latino-americana e caribenha, a infância está muito longe de ser um conto de fadas ou um filme da Disney. As realidades da fome, do trabalho e da servidão, a falta de adequadas habitação, educação, vestuário e saúde são realidades que as crianças experimentam desde cedo na vida.

No início do século 21, há também a realidade das crianças que podem ter suas necessidades físicas atendidas, mas são “órfãs de pais vivos”, pais com horários intensos, ausência, vícios, consumismo etc.

Devemos crescer na consciência global, pensar em uma ecologia integral, como o Papa Francisco propôs em Laudato Si ‘, de modo que não só trabalhemos, oremos, pensemos e sintamos pelo bem-estar material das crianças, mas também, fundamentalmente, por seu bem-estar físico, psíquico e espiritual, protegendo e respeitando suas individualidades. Também ser consciente quanto ao uso dos recursos, da água, do planeta que compartilhamos e do que vamos deixar para elas.

As crianças são nossa esperança, mas também são nosso dia- a- dia. São aqueles que nos olham com olhos atônitos e agradecidos; elas também são os que nos olham com olhos críticos, sabendo que somos um modelo ou exemplo para eles imitarem.

Que o exemplo que lhes damos seja como o modelo que Jesus nos deixou; que elas se sintam bem, sabendo que têm tudo o que precisam para alcançar seu desenvolvimento integral e bem-estar. Que elas sintam e saibam que são profundamente amadas. Esta é a nossa missão. É nossa maneira de trazê-las para Jesus.

Ação

Oração de encerramento       

Nosso Deus, agradecemos a oportunidade de conhecer e refletir mais sobre seus prediletos, as crianças. Ajude-nos com a sua graça a podermos criar situações de bem-estar e paz para elas, sabendo que tudo o que fazemos, por menor que seja, é uma ação salvadora sua. Que o trabalho de nossas mãos e nossos corações estejam de acordo com seu plano de amor. Abençoe todos os seus pequeninos. Pedimos isso através de Cristo, nosso Senhor e pela intercessão da Beata Maria Teresa, que dedicou sua vida ao bem-estar das crianças. Amém.                   (Cf.: Carta Card. Bergoglio, “Educar: exigencia y passion“)

Preparado por Hermana Paola Baliño, província de ALC, para o escritório internacional Shalom, Roma, Itália

Print Friendly, PDF & Email