Carregando Eventos
Este evento já passou.

BEM-AVENTURADA MARIA ANTONINA KRATOCHWIL

Irmã Escolar de Nossa Senhora (1881-1942)
Padroeira de Shalom

Irmã Maria Antonina Kratochwil foi beatificada no grupo de 108 Mártires da Segunda Guerra Mundial (bispos, sacerdotes, religiosos e leigos) pelo Papa João Paulo II, em Varsóvia, a 13 de junho de 1999.  O calendário litúrgico celebra a festa da Irmã Antonina todos os anos em 12 de junho.

Irmã Maria Antonina Kratochwil nasceu em 21 de agosto de 1881 em Witkowice by Ostrawa para onde seus pais se mudaram em 1879 e encontraram trabalho. Em 1885 eles voltaram com seus filhos para a terra natal da mãe, Węgierska Górka, e se fixaram em Bielsko.

Ela entrou na Congregação das Irmãs Escolares de Nossa Senhora em 1901. Trabalhou como professora nas escolas das IENS em Karwina (1906-09; 1910-17), em Lwów (1917-25); como coordenadora local, diretora do internato e mestra das candidatas em Tłumacz (1925-32); diretora da escola e mestra das candidatas em  Lwów (1932-39) e como coordenadora local em Mikuliczyn (1940-42).

Ela entrou na Congregação das Irmãs Escolares de Nossa Senhora em 1901. Trabalhou como professora nas escolas das IENS em Karwina (1906-09; 1910-17), em Lwów (1917-125);como coordenadora local, diretora do internato e mestra das candidatas em Tłumacz (1925-32); diretora da escola e mestra das candidatas em Lwów (1932-39) e como coordenadora local em Mikuliczyn (1940-42).

Durante a Segunda Guerra Mundial, como mulher religiosa, ela foi removida da escola (o fim de 1939); temporariamente removida com a comunidade local, o convento em Mikuliczyn (fevereiro de 1940 a junho de 1941); e, em 9 de julho de 1942, junto com outras irmãs, foi presa e colocada na prisão em Stanisławów. Lá, em condições desumanas (fome, espancamento, tortura e zombaria), ela fortaleceu suas irmãs e outras prisioneiro dando testemunho de amor cristão, fé e perdão. Cinco dias após a libertação da prisão, em 2 de outubro de 1942, ela morreu.

Irmã Antonina era uma mulher de fé profunda, uma professora sábia e competente, e uma pessoa maravilhosa. Irmãs e leigos que trabalharam com ela declararam por unanimidade que a Irmã Antonina possuía uma bondade e simpatia infinitas, um amor alegre por sua vocação. Serenidade verdadeira e paz emanavam dela. Ela amava crianças, especialmente crianças pobres e negligenciadas. No sofrimento, ela teve a graça de ser como Cristo.

 

Print Friendly, PDF & Email